segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Freddie Mercury and Michael Jackson - State Of Shock


Você sabia que Michael Jackson cantou ao lado de Freddie Mercury?
Ouça...

O Rei do Rock, ELVIS PRESLEY, no especial de 1968 - IF I CAN DREAM


Assim, como Michael Jackson era o Rei do Pop, o Rei do ROCK é sem dúvida o menino de Menphis, Elvis Presley...aqui em um momento do especial "Come Back 68".
Sensacional.....
Vida longa ao rei.

Lady Gaga ao vivo, no AMERICAN MUSIC AWARDS 2009 - "Bad Romance & Speechless"

Não preciso nem dizer que Lady Gaga é a minha artista POP preferida atualmente, né?
Então..clica no vídeo e veja esta delícia cantando.

"Morning After Dark Live" American Music Awards 2009 "Timbaland" Feat. SoShy And Nelly Furtado


Ontem aconteceu mais um AMERICAN MUSIC AWARDS nos Eua, e um dos pontos altos da festa, foi a apresentação de Timbaland ao lado de SoShy e Nelly Furtado.
Não deixe de ver!!!!!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Tem saudades do Palhaço Torresmo, aquele que fazia parceria com o Pururuca?


Um arquivo raro e possivelmente único na web, uma entrevista com o criador do palhaço Torresmo, e seu filho Pururuca, no programa de Synésio Junior.
Os palhaços da minha infância: Arrêlia e Pimentinha e Torresmo e Pururuca...

SUPERMAN - Um Tributo a Christopher Reeve


Homenagem ao verdadeiro SUPER HOMEM, que nos deixou em 2004.
Ouça a trilha sonora, que é nota 10.

Segredo revelado: "Sabe porque Christopher Reeve foi escolhido para ser o SUPER HOMEM no cinema"?



Você sabe porque o jovem ator Christopher Reeve, ganhou o papel para interpretar o "Super Homem" no cinema?
Porque ele sabia como ninguém simular o vôo do "Homem de Aço".
A ginga de corpo, para os saltos, e demais manobras do vôo do Super herói, deixou toda a equipe de produção sem palavras.
Quer ter uma ideia de como isso aconteceu?
Assista este raro vídeo sobre os testes iniciais de Christopher Reeve, para o filme do "Superman".

"This Is It" terá até três horas a mais em DVD


O Halloween foi a razão que os jornais americanos encontraram para explicar por que "This Is It", o filme sobre a turnê que Michael Jackson não viveu para realizar, só dentro dos EUA foi menos arrebatador do que se esperava. A festa das bruxas caiu no sábado, o que pode ter levado parte do público a adiar a ida ao cinema.

Ainda assim, o filme ficou em primeiro lugar nas bilheterias do país no fim de semana, com arrecadação de US$ 21,3 milhões. O segundo colocado, o horror "Paranormal Activity", rendeu US$ 16,5 milhões.

No mundo inteiro, "This Is It" arrecadou nos cinco primeiros dias surpreendentes US$ 101 milhões, passando com folga os US$ 60 milhões que os estúdios investiram nele. "Estamos felizes com os resultados domésticos, mas extasiados com os mundiais", disse no domingo Rory Bruer, presidente de distribuição da Sony.
Os estúdios confirmaram que o longa ficará mais que as duas semanas anunciadas em cartaz --tempo reduzido que, segundo críticos, desde o princípio fazia parte da estratégia de divulgação, para estimular o público a correr aos cinemas.

O lançamento do DVD também foi adiado, após proprietários de cinemas reclamarem da curta janela entre o fim da exibição nas salas e o começo da venda nas lojas. A princípio planejado para sair a tempo de virar presente de Natal, o produto chegará no começo de 2010.

Cenas extras

Na última quarta-feira, na primeira série de entrevistas após a pré-estreia do longa, o diretor Kenny Ortega disse à Folha que o DVD terá de duas a três horas a mais do que o filme no cinema. "Haverá cenas extras dos ensaios, além das versões completas dos clipes que criamos para "Thriller" e "Smooth Criminal"."

Ortega garantiu que não excluiu cenas que omitissem as condições de saúde de Michael Jackson --nas últimas semanas, correu na internet um manifesto alegando que o registro esconde que o músico precisava de ajuda até para comer. "O filme é a história do show. Só incluí cenas que fizessem sentido nesse contexto. Não faria sentido colocar trechos em que Michael Jackson erra a letra, ou que não dança tão bem. Isso acontece em qualquer ensaio, mas no filme poderia dar uma impressão errada."

Ao mesmo tempo, Ortega diz acreditar que o longa tem o mérito de mostrar um lado mais "vulnerável" do músico, como quando ele fica desconcertado por não ter ideias compreendidas de imediato. "O fato é que Michael confiava em mim. Só coloquei imagens com as quais acho que ele concordaria."

Na mesma rodada de entrevistas, o diretor musical do longa e da turnê, Michael Bearden, disse que o popstar ficava chateado com os comentários de que não conseguiria concluir os 50 shows planejados para Londres. "Ele me disse: "Muita gente pensa que não posso fazer isso. Não sei por que pensam assim, é o que faço desde que tinha cinco anos. Não teria aceitado se não fosse capaz'", contou Bearden, esganiçando a voz para tentar soar como o cantor.

Segundo ele, Michael Jackson se sentia "bem o suficiente" para estender a turnê por mais três ou quatro anos, levando-a a países da África e da Ásia.

A jornalista RAQUEL COZER ficou hospedada em Los Angeles a convite da Sony
RAQUEL COZER
da Folha de S.Paulo, enviada especial a Los Angeles